Crer

Depois do baque o vazio

De pé, recobrado fôlego, sorrir
Custe qualquer esforço. Sorrio,
Pra testar a minha fé,
Levantar a minha dúvida.
Experimento sem pena a consciência
Minhas entranhas,
Tudo que encontro nessa engolidora e
Voraz absorção do que procuro.

O riso não preenche o vazio

Rio pra captar a viga que sustenta
Os meus olhos, o meu ponto cego
Luz,
Que me liga ao infinito, o desejo de exercitar
Minha capacidade de continuar
Me atrever e ser feliz.