Pouco

.
.
.

Resta pouco
Está quase oco
Metendo a mão dá pra sentir
Quase nada se encontra ali


Poeira da paixão
Dilacerado um coração
Pobre mente, absoluta-mente sã
Sobram-te apenas aparas miúdas


A vida vence o tempo, num estalo dos dedos
Balança o esqueleto
Sacode e manda pro inferno, pra longe em mar aberto
Restos podres de amor
nascido no gueto e morto na dor
.
.
.

5 comentarios:

  1. Recomeço é virar o avesso.
    Sacudir poeira batida.
    Lavar alma perdida.
    É trombar no tropeço
    sem medo
    e querer sossego.
    Recomeço é virar o avesso
    trocar a roupa de cama
    mudar o corte de cabelo
    e pintar a unha de vermelho.

    ResponderEliminar
  2. Depois de noites empoeiradas e sujas
    a menina despertou renovada,
    arrumada e sem poeira.
    Suspirou com prazer o novo momento
    e um sorriso malicioso lhe tomou a boca.
    Ela estava pronta para novas emoções.

    ResponderEliminar
  3. Prefiro ser chamada de louca.

    Por vários motivos.

    ResponderEliminar
  4. Pode siim , querida, manda o link q eu quero ver...rsr
    Lindaa postagem!
    bjos.

    ResponderEliminar
  5. Antigamente eu lia uma moça que fazia de suas palavras, tão lindas quanto si própria, mas a falta de meu convívio com esse mundo interior me faz afastar-me... Senti falta, falta do sinônimo sincero e apaixonado, que você é da verdade dramática, do seu lado intenso; te encontrei num comentário antigo a qual leio quando quero nostalgia, e agradeço ao Blogspot, por ter guardado isso pra mim. Continua excelente...

    ResponderEliminar

Grafe as asas de suas idéias...