Vivendo um dia de cada vez
Não tem como viver dois
Impossível mudar a velocidade
o passar do tempo
Só vivendo

O verão cheira a marisco
paira a maresia sobre as superficies na avenida
calor e bronze, amor e beijos
tudo combina
mesmo sem rima

Enquanto o tempo passa
o ano vira
passado

Para Domar

Presente do Amigo Poético, escrito por Nathalie Lourenço. Lindo...


Deixar livre o que já nasceu livre
um pássaro não conhece claustro
que não seja o próprio voo
e isso já vai longe
foi tão antes de nascer.
uma palavra não é de ninguém
ela obedece quem quer
e quando presa, não canta
nem fala sequer.
o que a palavra quer é morar solta
e pode confiar que ela sempre volta
se você tiver olhos firmes
e idéias
livres.


Nathalie Lourenço (http://sabedoriadeimproviso.wordpress.com/)

Acumulados

Noite insônia onde vagam pensamentos
Noite escura
Cantam os pássaros
Entre galhos vestidos de sereno
Noite longa
Paredes e lembranças
O cheiro, os olhos, toda a sorte de memórias
Passam em película agora
Nesta escuridão além dos pássaros
O ventilador no lado esquerdo do quarto, ouço
de olhos fechados, os ventos de um canto a outro
Engoli o planeta com raíz e tudo
Não posso fazê-los calar
barulhos da noite
Sou ouvinte, transeunte, mero figurante
A paz vem depois bem além
Chega juntinho com o sol do amanhecer
Ou não chega mais pra de uma vez
me endoidecer

Cactus Territorial

Não, eu NÃO estou sozinho!!
Estou em desalinho
sem colheita

É um tempo de guerra,
estou camuflado de flor
para conhecer os inimigos
observo a vastidão do deserto
Estou enfraquecido
eu tomo chá, sopa e amor
me alimento de espinhos
para me valer de força

Inteligível
assim venço a guerra
que de rasteira me pegou

Vermelho

Às vezes me rasgo inteira
mente
carne
o músculo em meu peito
pinga soro
que nasce na alma
Vira oceano
do mar que me habita
profundidades

Projeção de semente

Jáh, a sua benção...

Sou grata em fazer parte da criação
um pingo à luz do infinito

Reconheço o horizonte por sê-lo
em curva longilínea da visão

Desatino a hora pra alcançar os céus
partindo das raízes
No alicerce renasço
vivo dos sais da terra úmida

Viso vértice que me instiga a subir
sair do mundo pequeno à amplidão
Trazendo defeitos exagerados
sorrisos, sustos, soluços, inquietude, inconstancia
uma infinidade a mais
que estes são meus, não tem outro jeito
tomara! perdendo alguns medos
nó atado em vontades verdadeiras da alma

E derramado de paixão o meu coração

Sou prisioneiro da vida, do que ela dá e do que tira
acenando cada vez distante para o caos
é meu pedido Jáh jáh!
O caos suga a própria vida
desordem que me expulsa
me expulso.

Pressuponho fazer inacabável obra
gostosa leitura ao sabor doce das frutas
e o paradoxo azedume do limão.


Despreze toda limitação que ultrapasse a prisão

A dor é o preço
O sofrimento ensina o caminho da coragem

........

.Não comente, releia, repense.

Citações

::

Mas entendo o amor por um sensível e fiel companheiro pra todas as horas
em todos os momentos

::

Imersa, perdida no profundo oceano que me habita
e agora me afoga
Nestas condições a vida tem urgência de um afago, companhia, outro ser
em forma de amor, de amizade
como forma de abrigo

::

A solidão, qualquer tempo que dure
seca, vira cinzas
tira um pouco da cor
da alegria que salta aos olhos
empobrece o amor que resplandece luzes neon
a pureza que há no coração, que dele emana..

::

Esses pesos e medidas
das minhas verdades escondidas
que agora purgam da minha entranha
me expôem aos olhos
meus olhos que só sabem chorar
são estes mesmos olhos que melhor me expressam hoje
mas tudo há de vazar
preciso apenas de um pouco de fé e respirar

::

Sem angústias passadas
recentes ou cicatrizadas
novo dia nasceu
a luz voltou a queimar o peito
arder minha pele
aquecer a alma

::