Águas°

Águas me invadem.....................
......................................
..................................................
Sentimento suspenso, até ordem que mude
Não vale o que penso
não sou mais que um processo de impulsos
num instante devorando minutos
Só cânticos e pássaros em línguas de mistério
Misturados aos meus sons internos
Coloquei o coração numa cesta
decorada com lírios e cores
levei para ribeirinha e por lá deixei
de ser, para ser levado
Se águas me invadem
de tormentas e paz
as mesmas águas hão de curar-me
de incêndios, sequidão

Estou no espaço entre o que é
estado, matéria, coisa, tempo, chão
e àquela canção
timbre, montanha, viagens, cume, amplidão
o encaixe exato entre o início e o ciclo
Entre os verdes floresta
e o vermelho que era paixão
Memórias, cárcere
pedaços dos lugares
que pousam feito pequenos voadores
Caibo em pedaços desprendidos de mim

Espinhos que ferem, furam e vazam
meu co-existir
Vida noturna inventada
Episódio criado para distrair
Prostituindo desejos, cato estilhaços de espelho
revelo-me sem medo, sou nu
percurso da estrada em curvas sob chuva
clarão e sinais
Exposto ao tempo
em abandono, perdido
num frasco de vidro, sem tampa
exalando o cheiro de fim
um olhar visivelmente caído
varrendo com os cílios, fragmentos
o passado do presente ainda corta rente
o futuro do passado,
que não sabe, não saberá
servindo de curso para a correnteza
das águas de um rio.........................
.......................................
.....................................................

1 comentario:

  1. Srs.

    Sobre a moderação de comentários... Fiquem à vontade para expressar-se, como eu fico para publicar ou não!

    Tem coisas que eu leio, e quero que fiquem lá, guardadas comigo. É uma questão de respeito.

    À cada palavra escrita, cada entrada, cada postagem lida.. obrigada!!

    .Com carinho.
    =)

    ResponderEliminar

Grafe as asas de suas idéias...