VoZ

Ensaio a cena
De canto do olho, me estendo
faço o movimento que me leva até você
alcanço as teclas
começo
sinal, número, número

No rompante do instante
roubam o momento
da pronuncia esperada,
a rouca suavidade da voz
deixo pra depois...
rompandes solutos, é hora:
me estico, repito o movimento
alcanço as teclas
começo, sinal
redisco... sem sucesso, não ouço

Desta vez penso e desisto
mas não consigo


Motivos, peças,
teatro mudo,
monólogo sensorial
desculpas, as últimas
e frescas, ainda úmidas
notícias, o que for
pra te ouvir me chamar
codi-nome

Quero arrancar tua voz,
e depositar numa caixinha
só minha
Ouvir me chamar
de amor, certeza, flor



Tateia palavra

::
.
Querendo fazer algum sentido
antes mesmo de virar palavra.
Esquisitices.
Há sempre coisas que só tangem o sentir...
Alcance inverossímil
tato até acidental
da textura impressa na escrita,
boca entre-versos-aberta.
.
::

.Ela.

Não me corrija.
A pontuação é a respiração da frase, e minha frase respira assim.
E se você me achar esquisita, respeite também.
Até eu fui obrigada a me respeitar.

.
.