.Suave movimento.

::
Hoje precisei, e ainda quero teu abraço mais confortável... há sensação de espaço demais... estive pronta a receber, quis me aconchegar... se não pela sede da presença, pela agonia oriunda das notícias recentes... curtos, teus braços não me tomaram, fiquei a mercê... e a distância, mergulha no silêncio de um coito latente... um pecado... percebo, perdoe-me dizer, sua pouca sensibilidade no que tange, algumas de minhas necessidades. É exato, há situações em que me afasto :/... lá no inicio não, mas estas 'esperas' aos poucos, talvez não seja o termo ideal, me coagiram :(... o que me deixa fudida... pretendo descontinuar minha vivência com estes vácuos... parto de uma atitude racional, no princípio das emoções, para desperta transformar faltas sentidas e meus mecanismos de defesa em movimento... e daí, saber o que há de vir...
Este é meu suave começo.
::

Quiçá

.

Talvez esteja sem vontade de nós
Talvez seja um momento
Talvez um fato,
Talvez não

Talvez, até de forma inconsciente, haja de forma a se manter assim, estranha
Talvez queira mergulhar em mim, e se perder
Talvez queira me deixar, e esquecer
Talvez...

.
:
Eu guardo em mim sensações que nunca expus, não do medo de como estas possam ser interpretadas, mas partindo do pré-suposto que me há um saudável egoísmo em mantê-las fora do alcance de quem não saberia sentí-las. Já soprei algumas que passaram por despercebidas, e poucas outras que me trouxeram olhares trêmulos e inquietantes, com perguntas presas em suas íris. O fato é que me recolho em um ser paralelo que habita em meu âmago e sofre de extremos da minha essência. Sabe quando se tem a intuição de que algo está para vir, mas não sabe o que e nem de onde? É o que sinto quando estou distraída no tempo e o vento me sopra os cabelos nos olhos fazendo coça-los. Faz parecer que ele quer me roubar o olhar nos instantes em que dou pausa ao mundo. Não, e não são superstições, são sensações, sensações... E há um monte delas que atestariam minha suave frontreira com a loucura. Ainda quando pequena tentava desenhá-las. Mas com o tempo, passei a trair os desenhos com a escrita, assim como costumo traí-la com silêncio. O silêncio é o meu amante. Meu, e de minhas sensações. A verdade é que não há tradutor para a alma que não se simboliza. Todo íntimo é tão abstrato e subjetivo, que hoje podemos ser uma pessoa e amanhã outra. As feições nos permitem perceber isso. E não estão nas mudanças físicas naturais da fisionomia, estão no conjunto de gestos, e principalmente naqueles que pulam pela janela, é lá que a alma costuma debruçar-se, a face é sua morada. E quanto mais a vida nos empurra, mais fácil conduzimos esta leitura. É impossível ficar sem pensar em nada, e os meus pensamentos se vangloriam disso. Acho que daí que proliferam-se as sensações. Mas é apenas um achismo, nada de achado. Eu continuo composta e complexa, submissa a minha imensidão neste
lúcido vício de obserdiar-me...
•Dayane Cairo•
:

Tic-tac

Bobinas, ponteiros,
Digitais
Constroem o momento
Sentido inverso
Destinando versos
Sopro de idéias soltas
Que temem incertos,
Atam, desatam
Vão e voltam

Sem cor e sem cheiro
Ponteiro
Retoma seu contínuo batimento
Afinal, nada para o tempo
Nem para consertar
canos quebrados
asfaltos falhados
corações (ar)ritmados...

Tic-tac
Pequeno, fino e cortante
Sentimento afiado, instante
Um vento...

Ausencia

Pedaço
Metafísico
Despreenchido

Cais

Para quem quer se soltar
invento o cais
Invento mais que a solidão me dá
Invento lua nova a clarear
Invento o amor
e sei a dor de me lançar

Eu queria ser feliz
Invento o mar
Invento em mim o sonhador

Para quem quer me seguir
eu quero mais
Tenho o caminho do que sempre quis
E um saveiro pronto pra partir
Invento o cais
E sei a vez de me lançar

ANDROSS EDITORA RECEBE MICROCONTOS PARA NOVA ANTOLOGIA

A Andross Editora está recebendo, até dia 31 de maio, microcontos de novos autores para a antologia Histórias Liliputianas – Antologia de Microcontos.Microcontos são histórias de sentido completo com, no máximo, 600 caracteres incluindo os espaços, mas não o título.

Mais informações para a imprensa:
ANDROSS EDITORAEDSON ROSSATTO11 2943-7687 - 11 8217-6191edson@andross.com.br
MSN: edsonrossatto@hotmail.comSkype:
Andross - www.andross.com.brhttp://edsonrossatto.blogspot.com/

Abril de 2009

Em B&P


Destempero acordou
Sensações se movem no peito
no pensamento dela,
Sem expressá-las
foi o dia, andou.
No reflexo do espelho, viu a ausência de sua energia
A fraqueza desgraçada em cores
No sorriso, encontrou o amarelo desbotado
Do cansaço, dissabor
Castelo de letras secas
em vidas surdas