Retro visor (Arrumação)

(Este texto foi extraído de um arquivo vivo, não especificado)

Escrevo, não sei o que este sentir quer me dizer.
Leva
Faz da tela o reflexo de um espelho para tudo o que não posso ver
Fique a vontade, flua e me traga a noção,
Exata condição e seu querer.
Tudo que é palavra não se encaixa na porção
Cheia de vazios, cheios de fumaça cor de solidão
Completa-mente liquidificador, um frenesi alegórico.
Desconhece sua causa, o saber
Ou prefere mesmo não sabê-lo,
Desconheço seus porquês
Agradeço a confusão!
Difícil é exclamar em meio a tanta interrogação
Tudo tem razão, mesmo quando parece que não.
Peço em prece:
Clareia, senhor meu deus, tudo o que é minha visão...

Meus lugares

Repare, em muitos cantos está
Percorre meus lugares
Meu mar
Embaixo das árvores
Sob o sol de qualquer dia
Pare de procurar,
Repare
O vermelho do peito
O matiz indefinível deste olhar
Em que lugar quer se encontrar
Que não aqui?

Dispenso a ausente reciprocidade
Intensifica-nos a presença
E assim
Me faça ficar...
Detona o relógio que conta as horas
O tempo aqui não importa
É tudo o que temos agora
Repare
A estampa do sorriso
A espera que espera ser tudo
Repare
O pulsar que aqui tu provocas

Vai saber

Quando o sentimento encharca
E vaza, pra onde ele vai?

Inunda, fecunda, afoga...

Quase

Quase toda vez que fecho os olhos é você que eu vejo

Gosto e cheiro de mar

Meu mar está calmo
Ondas leves embalam a superfície verde
Eu danço seu canto, seu toque
Seu cheiro... maresia
A tarde espia
Encantada
A brisa que arrepia,
A chuva escorrendo na pele

A pele, meu mar...

Uma ponta

Meu deleite é uma rede em frente ao mar
O calor de outra pele para eu me aconchegar
Um samba groove, batuques
Para a alma se aperfeiçoar.
Sou dragão
Vôo nas asas de pássaros que desenham os ventos
O limite do movimento é determinado pelo alcance do olhar
Me emociona ver bicho ao relento
Me revolta ver criança no descaminho, ver idoso sozinho
Mulher vivida e ainda sei pouco
Quase nada da vida
Passo por caminhos cheios de espinhos
Que da flor exalam um delicado perfume.
Artífice da própria realidade, o deus das minhas escolhas
Mortal, em incessante expansão da existência
Pupila em versão dilatada
Um pensador
Sou filho de Jáh nosso senhor.
Minhas marcas sem registro, podem ser a autenticidade
Estilo, e minha tal seriedade.
Não me superestime, estou longe de ser genial
Não me subestime, tenho idéias soltas e °falo na fala°
Sei dos erros, meus defeitos reconheço
Minha coragem está para mudá-los.
Tenho meus dias azedos, e as piores caretas
E dias de sorriso escancarado!
Estou de passagem, aprimorando a essência
Amo circo, dança e poesia
Amo infinito a mulher de fibra que me deu a vida
Meus amigos, tão distintos... meus melhores risos
Amo o beija-flor lindo que transforma em beijos as pétalas da flor
Sentir o amor me preencher, e sua letra b...

Esta cor

Fora é o lugar onde eu quero estar se o calor não há
Dentro mora a cor. O que mata é também o que dá a vida
Pulsa e pára.

Pulsa
Pára
Pulsa



Pulsa
Este novo lugar eu já conheço, visitei
Ou o lugar me visitou?!
O mesmo lugar em mim, outro lugar, enfim...
Estive aqui e voltei, moro em seu lugar
Durmo em seu peito largo, seus 'quase cachos' emaranhados
Despetala o inacabável, flora rica meu tesouro
Cada pétala um instante, sorriso
O encontro do olhar, um grito
Eu vivo o infinito, todo lugar, lugar nenhum
Dentro da cor azul

Finalize

Tudo hoje ficou fora de lugar

Espelho

Escolhas dizem quem realmente somos
Reflexos de nós mesmos
Fatos, desejos, atos...

Infinito

O renascimento do que nunca morreu
Céu e inferno
Eternos

O que é infinito, que sabe durar para sempre?
Um rasgo profundo
Um sorriso na memória...

O que é?

Meu sexto sentido

Se os sentidos me enganassem
Todo o mundo também conseguiria
Como me encaram
Só eu poderia...
Não o faço!!
Mesmo que não haja sentido algum
Não precisa haver

Sedução

Metáforas, cores, emoção
Intercâmbio de sentimentos
Sortimento, chuva no fim do verão.
Trocar com o novo é como lustrar o antigo
Renova. Vivifica o humor
Tabuleiro diversificado à disposição
Aos olhos abertos, uma nova visão.
Atenção à perspectiva da variação
Nada mudou, além de si
Dentro é a morada da muda
Verbo e substantivo
Muda ao falar, clorofila do eu
Muda que brota no centro
Intocável ser, pensador
Rompe os excessos do tempo
Cria a semente sem precisar morrer,
Positiva
Arranca pra fora a raiz e lambe a própria dor
Lava o que passou
Recicla as sobras.
O ser sob a luz
Seduz a vida, ama e intensifica