Filminho

Mãos percorrem segredos
Anseiam novos lugares
Despertam toda espécie de apelos,
Intensidade
No ar há uma espécie de medo que afia vontades

Línguas molham a nudez,
Noite proibida
Pele quente em devaneios,
Inverno frio
O desejo bebe toda embriaguez de nossa sede

O olhar grita a sós
A tortura desse silêncio
Gemidos ao pé do ouvido...
...Deliciosamente sussurrados
Pétalas regadas, devorar intenso que há em nós

Verdade

Hemisfério sul
Oceano de águas frias,
Frenéticas e não menos perigosas
Aonde as ondas nascem,
Há brisas tranqüilas
E se agitam ruidosas ventanias

Infinito de águas salgadas
Alto mar, berço de toda pureza
Desbravando a amplidão, cá estou
Sem capa, sem fecho, contudo o eixo
Equilibra os pés aonde não há chão
Lógica e proporção, sinto-me um grão

Trago bagagem pouca nesta aventura
Minh'alma, coragem, o novo
Este último é presente de Deus, obrigada!
Embarcação segura, meu coração mensura
Templo sagrado, acima do bem e do mal
Além do título, originalidade é fundamental

Etc e tal

Quando não há

Não gosto do absolutismo
Para mim é idiotice

A vida em doses plenas de coragem
O medo está onde não é o meu lugar agora

Eu arrisco os saltos
Sem aventura não ousaria viver

Ocorre-me que quanto mais eu me deixo ir
Mais a vida me lambe e a alegria me sorri!

Ciência(s)

Fases, fatos, sol e lua
Conflito e complementação
Eternos,
Fogo e solidão
Entre a importância real e os tolos apegos
Delicadeza crítica de um céu cinzento
Argumento de uma nitidez descrita
No frio cortante dos ventos,
Noite, dia
Em constante dissolução.


°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°°


CIÊNCIA
do Lat. scientia
s. f.,
conhecimento rigoroso e racional de qualquer assunto;
corpo de conhecimentos, sobre um determinado tema, obtido mediante um método próprio;
domínio organizado do saber;
conjunto organizado de conhecimentos baseados em relações objectivas verificáveis e dotados de valor universal;
o conjunto das ciências;
o universo da ciência;
instrução;
erudição;
saber fazer;
arte, técnica.

A íris

Quero criar a expansão para o universo
Ávido por diversidade
Quero a condição para minha evolução

Quero inventar meu estilo
E que ninguém ‘grile’ comigo
Quero saber quem sou, e apenas isto!

Quero o infinito para pousar
Asas e anjos querem descansar
Quero mais do que tenho, é tempo

Quero falar, pelos cotovelos até a língua secar
Merecido silêncio, no átrio do meu espírito
Quero escolher, simplesmente!

Quero o querer, sem podar arestas
Agregar o que eu bem entender
Quero não ter que ter razão

Quero intensas verdades
Embrulhadas com a transparência
Quero meus sonhos vividos

Quero os verdadeiros amigos
É para amar que eu vivo, olhos coloridos
Quero cuidar dos meus filhos...

Sobre mim

Em Aquário, encontramos uma alma grandiosa. Abusa das teorias, mas vai além do conceitual, daí se dizer que Aquário é o signo dos inventores. Tem o dom da visão, facilidade para enxergar o que pode dar certo ou não.
Escrever faz bem
quando está tudo bem
e quando não está também!