O tempo da noite

Hoje não haverá sonho na noite do meu mundo
só existe o extravazar
e no papel o meu será
encontrar as tais respostas
verdades
rotas, caminhos
tropeços
tombos... feridas que ficam
não cicatrizam.
Venha cedo dia
não demore é covardia...
essa noite longa não acaba
pra eu ver raiar o dia
que anseio
compreender melhor seus meios,
palavras, inteiros
Desabafo agora é pecado
furtaram meus segredos
roubaram até meus medos
agora o que resta é o tempo
que arrasta, passa lento
Vou
mesmo ao relento
antes do sol
nascendo
gritar ao vento o que não fiz

Não tenho sofrimento
neste sonho meu desejo é acordar
pra ver a verdade o sol clarear
a face
aquecer a vida, a moleira
quem está diferente
enganado pensando que sou assim
torpe e vil
a vida ensina e o tempo alinha
quaisquer erros e desníveis
Que existem em mim
me moldando e transformando
em abundância e fragrância
pra ser e sentir as mudanças que o tempo leva
e traz

(novembro/2006)

No hay comentarios:

Publicar un comentario

Grafe as asas de suas idéias...